Desenvolvedor de Software

Vale a pena virar programador?

Compartilhe esse artigo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Pra que mudar de carreira? O que faz um desenvolvedor de software?

Tudo ao nosso redor depende de software para funcionar. Do projeto do prédio à geladeira, do celular ao carro, os mais variados objetos e serviços usam software. O vinho que você toma tem sua produção gerida por software e os garfos de sua casa foram projetados em um computador. Neste século, a sociedade depende das linhas de código criadas por programadores para funcionar.

Mas a demanda cresceu mais do que o número de profissionais, e agora os programadores são disputados pelo mercado. É claro que alguns mais, outro menos: quem domina as linguagens que estão em alta e sabe fazer programas eficientes é roubado de um emprego para outro, ganhando cada vez mais. É uma carreira rápida e muito bem remunerada. Por isso, é possível apostar na formação de um profissional.

Front-end

  • Tudo o que o usuário vê
  • 40% do esforço total

Back-end

Gráfico - Desenvolvedor Front-End x Desenvolvedor Back-End
Gráfico - Desenvolvedor Front-End x Desenvolvedor Back-End
  • O usuário não vê
  • Responsável por 60%
    do esforço empregado

O que faz um desenvolvedor de software?

Um desenvolvedor de software é responsável por programar, testar e fazer a manutenção de programas de computador. Existem diversas nomes para a profissão, como desenvolvedor, developer, programador, coder, engenheiro de software, analista de sistemas, entre outros. Mas, hoje em dia, cada vez mais é usada a seguinte classificação:

É o profissional de desenvolvimento focado em programar a interface de uma aplicação web e deixá-la pronta para “conversar” com o back-end. Este profissional também se preocupa bastante com a experiência do usuário.

É quem realiza a programação invisível aos olhos do usuário, a lógica que será utilizada pela interface. Ele entende as regras de negócio da organização e cria/mantém as soluções tecnológicas. Por exemplo, cadastros de clientes, sites de comércio eletrônico, aplicações web mobile em geral, faz a integração com bancos de dados e outros sistemas corporativos (ERPs, CRMs, etc).

É aquele que atua tanto em front-end quanto em back-end, ou seja, é capaz de entregar projetos completos do começo ao fim. É este profissional que o mercado de trabalho mais tem demanda e que oferece excelentes oportunidades.

O desenvolvedor geralmente atua em fábricas de software ou em empresas com um departamento de tecnologia. São encarregados de criar e manter sistemas usando linguagens de programação, bancos de dados e tecnologias como JavaScript, MongoDB, React, Node.js, Bootstrap, HTML5, Redux e muitas outras. 

Falta gente, é uma área com muito mais vagas do que profissionais qualificados. Mesmo quem já tem uma profissão consolidada em outro segmento pode considerar mudar para software, desde que tenha talento para a solução de problemas lógicos. Neste caso, já sendo graduado, melhor ainda se escolher um bootcamp que certifica como pós-graduação.

O que vou aprender no Bootcamp Desenvolvedor Full Stack?

Por que investir na carreira de desenvolvedor?

Porque é uma carreira divertida, rápida e com salários muito altos. O guia de salários da Robert Half, de 2020, mostra que um Analista de Sistemas inicia a profissão ganhando R$ 3.100 a 6.300 e, quando sênior, tem salários de R$ 7.750 a R$ 15.750, com uma escalada de poucos anos.  

Com tanta tecnologia espalhada em nosso dia a dia, nunca houve tanta demanda por profissionais de software como hoje. Isso contribui para que o mercado esteja sempre aquecido. Com o aumento do e-commerce causado pelo Covid-19, a situação se intensificou e as empresas estão desesperadas por mão de obra qualificada.

 

Outro benefício de ser um desenvolvedor de software é a flexibilidade. Muitos profissionais trabalham de casa, fazendo seus próprios horários e muitas vezes ganhando em dólar ou euro, prestando serviços para o exterior.


No “novo normal” da sociedade pós pandemia, a tendência é o aumento do home office em profissões como a de desenvolvedor de software, o que tornará as oportunidades ainda mais globais. A possibilidade de trabalhar para grandes empresas do Brasil e do exterior mesmo fisicamente distante delas, vai criar novas vagas para profissionais de todo o país.

Em seis meses, uma carreira promissora.

A carreira de desenvolvedor de software é desafiadora e exige raciocínio lógico afiado, capacidade de criar soluções e, claro, paixão por tecnologia. Exige também uma boa formação. Como entrar nesse mercado, então? 

Pode-se estudar em uma graduação ou uma pós-graduação, que exigem tempo e investimento significativos. Ou participar do processo seletivo para o Bootcamp, que no modelo ISA é uma aposta da instituição em você e, ainda, com possibilidade sair pós-graduado!

Que seja uma carreira de sucesso!